MICROAGULHAMENTO

blankO microagulhamento é um tratamento em que são usadas diversas agulhas esterilizadas e de aço cirúrgico, que podem inclusive estar dispostas em um rolo (que pode variar até 540 agulhas por rolo), para facilitar sua aplicação.

Esse rolo é aplicado na pele, provocando pequenas punturas, que aumentam a vasodilatação, estimulando a formação de colágeno e também aumentam a absorção de alguns medicamentos direto na pele, o chamado drug delivery.

Dessa forma, o microagulhamento pode ser usado para diversos problemas de pele, como envelhecimento, flacidez, cicatrizes de acne ou queimaduras, estrias e manchas na pele (como o melasma, por exemplo).

É importante que o equipamento possua registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Essa certificação garante a qualidade do produto (em relação ao aço utilizado, número de agulhas, comprimento e diâmetro das agulhas etc), a esterilização do mesmo e dessa forma evita-se contaminações e complicações.

Ele é descartável, em nenhuma hipótese o equipamento pode ser reutilizado, mesmo que no próprio paciente. A utilização do tamanho das agulhas é regulamentada pelos conselhos de classe profissionais, esteticistas podem utilizar até 0,5mm, biomédicos e fisioterapeutas até 1,00mm e apenas médicos podem chegar ao 3mm.

Benefícios do microagulhamento

  • Aumento na produção de colágeno e elastina para restaurar a pele
  • Reduz as rugas, cicatrizes de acne
  • trazendo mais viço e firmeza para o rosto e corpo
  • Além disso, danificar a pele dessa forma faz com que alguns medicamentos sejam mais facilmente absorvidos na região

O procedimento pode ser feito em qualquer lugar do corpo, como:

  • Rosto
  • Colo
  • Pescoço
  • Mãos
  • Braços
  • Seios
  • Coxas
  • Abdômen
  • Entre outros.

Como é feito o microagulhamento

O microagulhamento consiste na aplicação de microagulhas na pele, normalmente feitas de aço cirúrgico ou titânio, que podem estar dispostas em dermaroller – um rolo com microagulhas, ou uma dermapen – caneta com microagulhas.

O ideal é que microagulhamento seja feito no consultório médico, pois requer uso de creme anestésico ou mesmo anestesia local, dependendo do comprimento de agulha utilizado, além de estar passível de complicações e riscos, que serão mais bem solucionados pelo médico.

Primeiro passo: É aplicado o creme anestésico, entre 30 e 50 minutos antes do procedimento em si.

Segundo passo: São realizados movimentos de vai e vem com o aparelho em toda área a ser tratada rosto. Em média são feitas de 10 a 15 passadas em um mesmo plano e pelo menos quatro cruzamentos na área tratada, em diferentes posições.

Terceiro passo: Há produção de um sangramento que também pode variar de acordo com a espessura da agulha, mas o sangramento cessa após alguns minutos.

Quarto passo: Feitos os movimentos, é possível realizar o drug delivery no local, associando a ação mecânica das agulhas ao efeito de medicamentos e/ou dermocosméticos, conforme indicação do médico ao objetivo do tratamento e ao caso do paciente.

O tipo de agulha e pressão utilizada varia de acordo com o que será tratados. Para problemas de pele que exigem maior remodelação da pele, como as cicatrizes de acne, são usadas agulhas de 2,5 mm. Se o intuito é só melhorar o viço da pele, então agulhas com entre 0,5 e 1 mm são suficientes. Para estrias na barriga e coxa, por ex. são indicadas agulhas de 1,5 a 2 mm.

A aplicação nas bochechas, nariz e área dos olhos deve ter menor pressão, para não prejudicar os ossos e nem criar hematomas embaixo dos olhos.

Sessões

Em geral são feitas entre três e quatro sessões de microagulhamento, com intervalo de um mês entre elas, para recuperação da pele. Mas a quantidade de sessões e intervalo podem variar de acordo com a finalidade do tratamento e as características da agulha usada. Cada sessão dura, em média, de 30 minutos a uma hora.

Cuidados antes do microagulhamento

Os cuidados necessários antes do microagulhamento dependem do tipo de pele do paciente. Pessoas com peles mais escuras devem preparar a pele com clareadores e antioxidantes um mês antes do procedimento, seguindo a orientação de seu dermatologista.

De modo geral, é preciso interromper o uso de qualquer ácido na pele entre 72 e 48 horas antes do procedimento.

Cuidados após do microagulhamento

Após o microagulhamento a pele apresentará descamação, crostas superficiais, vermelhidão, ardor e um leve inchaço, além de sensibilidade ao frio, calor e sol. O uso de água termal para acalmar a pele é indicado, além de cicatrizantes com antibióticos, que serão receitados pelo dermatologista. Evite aplicar água quente no rosto nas primeiras 24 horas e não mexa no local.

O comprimento das agulhas pode variar de 0,25 até 3 milímetros e ter diâmetro de até 0,8 milímetros. Estima-se que uma agulha de 3 mm, por exemplo, penetre 1,5 a 2 mm na pele. Quanto mais agulhas existirem por fileira no aparelho, menor é a penetração das mesmas.

É importantíssimo evitar a exposição solar nos primeiros 45 dias e sempre usar filtro solar adequado a pele, em geral com fator de proteção solar maior do que 30, para evitar formação de manchas. Além disso, se aparecerem crostas na pele, é importante não arrancá-las.

Antes e depois do microagulhamento

Em três ou quatro dias a pele começa a descamar. No sétimo dia a textura e o viço melhoram. Após 20 dias melhora a pigmentação da pele e, a partir de 45 dias, nota-se a redução das rugas.

A regeneração ocasionada pelo microagulhamento promove rejuvenescimento, devido ao estímulo do colágeno, e melhora a textura da pele, diminuição de rugas, atenuando cicatrizes, linhas de expressão, manchas e estrias. Há também melhora do tônus e firmeza da pele e aumento do diâmetro dos cabelos, nos casos de calvície.

Contraindicações

Pacientes com problemas de coagulação sanguínea, em uso de anticoagulantes, pessoas com diabetes não controlado ou câncer e com lesão ou doença de pele ativa na região que será tratada, por exemplo rosácea, queimadura, verruga, entre outros são contraindicados a fazer o microagulhamento. O procedimento também não pode ser feito em pessoas que ainda tem acne ou com herpes ativa.

Pessoas com propensão a queloides devem ser avaliadas, e podem ser contraindicadas ao microagulhamento em algumas regiões do corpo.

O microagulhamento também é contraindicado para quem tem psoríase ou fez uso de isotretinoina nos seis meses anteriores.

Grávida pode fazer?

O microagulhamento associado a administração de medicamentos é contraindicado para gestantes. Se for apenas realizado o tratamento mecânico, não há contra indicação formal. Esta deve ser uma discussão conjunta entre o médico e a paciente.

Possíveis complicações do microagulhamento

Alguns riscos e complicações podem ocorrer, como: herpes, infecção secundária, escurecimento local, principalmente quando os cuidados orientados não são seguidos pelo tempo necessário pré e pós procedimento.

Fonte: https://bit.ly/3gp6VOB